Para encerrar essa série, hoje vamos apresentar os dois últimos passos de uma análise robusta de dados para expansão de negócios?

Mas se você chegou agora, não deixe de ler as Parte 1 e Parte 2 dessa série. Está muito interessante. Para te refrescar a memória, no blog anterior nós trabalhamos os temas evolução do potencial de consumo e dos aspectos econômicos.

Bem chegou a hora, vamos lá! 

3. Evolução da concorrência

Outra análise fundamental é verificar o perfil da concorrência nos territórios de interesse. Pode ser que determinado município possua alto potencial de consumo, mas que tenha um ambiente concorrencial bastante acirrado. Será que nossos concorrentes já se movimentaram primeiro? Somos competitivos frente aos players já instalados naquele território?

Percebe-se que nos últimos anos, o micro varejo (pequenos armazéns, mercearias etc.) diminuíram no município (redução de 49 estabelecimentos). Isso pode ser um indicativo de que novos atores mais competitivos já chegaram àquele território. De fato, percebe-se que pelos menos 7 novos supermercados de porte médio-grande (com 50 a 99 vínculos formais) se instalaram no município (outro estabelecimento de 100 a 249 vínculos parece ter reduzido desta categoria para a categoria abaixo dela).

É possível analisar o número de empregados e o salário médio para as principais ocupações do negócio. Essa análise é importante para orientar acerca dos custos da operação de se abrir um empreendimento naquele município.

A geolocalização dos concorrentes contribui para orientar a busca por terrenos e identificar melhores áreas para um novo empreendimento.

Na imagem acima, a cor vermelha representa os hipermercados; a amarela, os supermercados; e azul representa os minimercados, mercearias e armazéns. Quanto maior o círculo, maior o número de estabelecimentos. Esta análise existe para auxiliar o cliente a tornar sua decisão de forma mais precisa. Indo além da escolha entre municípios e aprofundando também nas melhores localidades dentro do município

4. Ranking de atratividade dos municípios

O último desafio é criar uma modelagem estatística que favoreça a decisão de expansão entre as várias opções de localidades. Um método interessante é criar índices e matrizes de avaliação.

Neste caso, a matriz de atratividade foi construída usando 4 variáveis principais: população do município, renda domiciliar municipal, número dos pontos de concorrência (onde estão incluídos hipermercados, supermercados, minimercados, mercearias e armazéns) e a proporção do número de concorrentes de pequeno e médio porte em relação aos de grande porte.

Com estas 4 variáveis, conseguimos modelar 3 indicadores. Suas notas são dadas a partir de uma análise do desempenho relativo do município frente aos outros municípios do grupo definido. Neste caso de Varginha-MG, foram os 71 municípios de Minas Gerais com mais de 50 mil habitantes.

indicador população por concorrência oferece uma noção de espaço no mercado. Quanto maior o número, mais pessoas por supermercado existem no município. O mesmo raciocínio se aplica para o indicador renda por concorrência, quanto maior o número, maior a renda por supermercado.

Entre duas cidades com a mesma renda, a que possuir o menor número de supermercados é mais propícia para receber um novo empreendimento. Uma nota baixa nestes indicadores mostraria um município já “saturado” de supermercados. Isto significa que caso seu negócio expanda para este território, ele vai precisar ser mais competitivo que os concorrentes já instalados.

indicador proporção PM/G indica qual a proporção do número de empresas de pequeno e médio porte pelo número de empresas de grande porte. Este indicador é importante para se determinar o perfil da concorrência já instalada.

Em muitos municípios podemos ter um número elevado de concorrentes, mas que são de menor porte, e, portanto, mais fáceis de serem deslocados por um novo empreendimento de maior porte. Estes municípios possuem um alto PM/G. Municípios onde esse indicador é baixo, são municípios dominados por grandes empreendimentos.

Ao final da construção das notas destes três indicadores é gerada uma nota geral, dando pesos para cada indicador, conforme a estratégia do negócio. Essa nota geral determina o ranking de atratividade. Varginha ocupou o 13º lugar entre os 71 maiores municípios de Minas Gerais.

5. Conclusão

Com as análises finalizadas, foi concluído que Varginha é uma cidade polo em sua região, que atrai estudantes e trabalhadores diariamente. A cidade possui uma renda elevada, em comparação com outros municípios do estado de Minas Gerais e possui espaço para novos empreendimentos. Porém, já existe uma concorrência bem estabelecida, de grandes players, que demandarão maior esforço para serem deslocados.

Caso o negócio ainda não possua unidades nas 12 cidades melhor avaliadas, conforme índices modelados, Varginha pode ser a mais atrativa fronteira de expansão!

Na IN3, esse tipo de análise compõe o portfólio da solução Easy Panel. Com ele trabalhamos a partir de big data de mercado, transformando um oceano de dados em análises que orientem decisões: de big data para uma página. Nós dominamos os dados e assumimos o trabalho analítico, para orientar decisões de mercado mais assertivas.

Este artigo foi elaborado em parceria com nosso cientista de dados Gabriel Gomes.

Bem, ficamos por aqui e à inteira disposição. Se curtiu não deixe de comentar. Sua opinião é muito importante para nós. 

Assine nossa newsletter e receba novidades