A desaceleração do mercado brasileiro e mundial desde o início da década, juntamente com uma crise econômica no Brasil que ainda mostra seus impactos negativos até os dias atuais, foi um marco na história do país. 

O encerramento da atividade de grandes empresas, demissões em massa e notícias sobre a desindustrialização brasileira nos acompanharam nesse período delicado e estão moldando a estrutura e direção que país irá seguir.

Durante esse período, as empresas brasileiras passaram de um crescimento tímido na criação e continuação de suas atividades para uma quantidade representativa de estabelecimentos que encerraram o seu funcionamento. 

A queda na criação de novos empreendimentos no território brasileiro afetou os elos do mercado de forma diferente.

Alguns setores tiveram uma forte queda na quantidade de empresas atuantes no mercado e outros conseguiram um crescimento expressivo nesse mesmo período.

Um caso de destaque é o alto índice de fechamento de empresas do setor de comércio (atacado e varejista), que de 2010 a 2018 teve uma queda de 12% no número de empresas no território brasileiro.

Seguindo um caminho contrário, temos o setor de Atividades Imobiliárias, que contempla atividades como corretagem e gestão de imóveis, que teve um crescimento de 124% no número total de empresas durante o mesmo período.

Além do setor de atividades imobiliárias, também tivemos outros setores que apresentaram crescimento no número total de empreendimentos no mercado.

Entre eles, as atividades Financeiras, de seguros e Serviços relacionados, com um crescimento de 42%, a de Saúde humana e Serviços sociais, com um crescimento de 47% e as atividades pertencentes ao setor de Educação, com um crescimento de 34%.

Segmento2018
Atividades imobiliárias124,1%
Saúde humana e serviços sociais46,9%
Eletricidade e gás45,1%
Atividades profissionais, científicas e técnicas44,6%
Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados42,0%
Construção38,1%
Educação34,1%

Mesmo com o período de recessão ainda tivemos setores da economia com um expressivo crescimento no número de empresas e que buscarão expandir a suas atividades.

Mas o que diferencia esses segmentos de tantos outros que tiveram uma quantidade considerável de empreendimentos fechando as portas? 

Seria um novo foco do mercado brasileiro? Setores que conseguiram se diferenciar na produtividade e qualidade do produto? Micro e pequenas empresas que tomaram o mercado deixado pelas grandes empresas que quebraram? 

Ou talvez, e mais provável, a combinação de todos esses fatores?

Uma maneira de começar a explorar os motivos da movimentação de cada um dos setores é avaliando a força de trabalho que está presente no mesmo. 

O setor de Atividades Imobiliárias, por exemplo, teve um aumento de 48% no número de trabalhadores formais presentes no setor.

Em contrapartida, o setor de atividades Financeiras, de seguros e Serviços relacionados teve um crescimento de 9%, um valor muito inferior quando comparado ao setor imobiliário, e é um indicativo do que pode ter ocorrido de diferente durante esse período evolução!

A IN3 é especializada em avaliar o movimento dos segmentos da economia e projetar a direção que o mercado tende a seguir.

Se precisar de mais informações sobre um segmento específico da economia, entre em contato conosco!

Assine nossa newsletter e receba novidades